solar-wind

Energias solar e eólica são as formas de geração elétrica mais baratas do mundo

A energia solar e eólica costeira não subsidiadas se tornaram as fontes mais baratas de geração de eletricidade em quase todas as principais economias do mundo, incluindo a Índia e a China, segundo um novo relatório da Bloomberg New Energy Finance (BNEF).

O estudo, que compara os custos nivelados da eletricidade, mostrou que a energia Solar e eólica costeira (onshore) se tornaram as fontes de geração de energia mais baratas para todas as principais economias, exceto para o Japão.

Um custo nivelado de análise de energia leva em conta todos os fatores que determinam o que realmente custa para gerar eletricidade e entregá-la à tomada mais próxima.

Isso envolve uma gama de fatores, incluindo o custo do combustível, o custo de construir uma usina elétrica, o de construir e manter a rede elétrica, as políticas fiscais estaduais e federais e os incentivos disponíveis para todas as etapas envolvidas na obtenção da eletricidade para os consumidores.

Mesmo na Índia e na China, onde “não faz muito tempo que o carvão era o rei”, a energia solar e a eólica venceram o carvão com uma geração mais barata, de acordo com a análise da Bloomberg.

“Na Índia, as melhores usinas solares e eólicas agora são construídas pela metade do custo de novas usinas de carvão”, diz o estudo.

A contração do mercado na China, por causa da decisão do seu governo de não aprovar novas instalações de energia solar este ano, resultou em equipamentos baratos no mundo, levando o custo nivelado da fotovoltaica para US$ 60 / MWh (megawatt-hora) no segundo semestre deste ano, uma queda de 13% em relação ao primeiro semestre de 2018.

Na eólica costeira, o custo nivelado é agora de US$ 52 / MWh, uma queda de 6% em relação ao 1º semestre de 2018, graças às turbinas mais baratas e ao dólar mais forte, segundo a análise da BNEF, que mostra ainda que a fonte, em lugares como Índia e no Texas, chegou ao valor de US$ 27 / MWh.

Por razões não informadas, a eólica marítima (offshore) não foi incluída no relatório. Segundo alguns relatos, entretanto, ela pode ser ainda mais barata do que a energia eólica em terra.

Em agosto, os dados do Bloomberg NEF mostraram que o mundo atingiu o marco de 1 TW de capacidade de geração de energia eólica e solar instalada.

De acordo com estimativas da BNEF, o segundo terawatt de capacidade eólica e solar combinada será alcançado em meados de 2023 e custará 46% menos que o primeiro.

Baseando nessa queda de custos das tecnologias renováveis, assim como a das baterias de armazenamento, a BNEF estima que a solar e eólica alcancem uma participação de 50% da geração elétrica mundial até 2050, segundo o seu relatório New Energy Outlook 2018.

Discursos floridos e protestos sinceros de políticos não serão suficientes para impedir a enxurrada de emissões de CO2 que se propagam pela atmosfera da Terra todos os anos, mas fatores econômicos sim. A era das energias renováveis ​​pode finalmente estar sobre nós, e nem um pouco cedo demais.

placa-solar-4

Entenda como funciona energia solar para geração elétrica em menos de 5 minutos

A primeira coisa a se compreender é que existem dois tipos de energia solar: a energia solar térmica para aquecimento de água e a energia solar fotovoltaica para geração de energia elétrica.

Muitas pessoas ainda confundem a placa de aquecimento solar, chamada de coletor solar térmico, com as placas fotovoltaicas que captam a luz do sol para conversão em eletricidade.

São estas placas, junto ao inversor solar e outros componentes, que compõem os chamados sistemas fotovoltaicos, tecnologia que ganha espaço nas casas e empresas dos brasileiros desde o final de 2012.

Foi nesse ano que a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) homologou as regras do segmento de geração distribuída através da sua Resolução Normativa Nº 482, onde a pessoa instala e conecta seu gerador solar no poste da distribuidora para fazer a troca da energia com a sua rede.

Desde então o mercado explodiu, crescendo cerca de 300% ao ano e saltando de 3 sistemas em 2012 para mais de 41 mil até outubro de 2018, sendo que mais de 76% deles são projetos de energia solar residencial.

De maneira simples, o conjunto de placas solares para residência, chamado de painel fotovoltaico, capta a luz do sol e a converte em energia elétrica através do chamado efeito fotovoltaico.

Toda quantidade gerada é enviada ao inversor de frequência, que converte essa energia (corrente alternada e contínua) e a distribui pelo quadro de força para ser consumida normalmente nas tomadas.

O sistema funciona com a luz solar, por isso a geração oscila conforme a posição do sol, apresentando maior geração ao meio dia (sol pico) e cessando a produção durante à noite.

Com o sistema de troca de energia existente, o poste da distribuidora funciona tipo a uma bateria, que recebe energia do sistema e fornece nova energia quando necessário.

Esse vai e vem de energia é todo registrado através de um relógio de luz especial, chamado de bidirecional, que é instalado pela distribuidora no momento em que realiza a conexão do sistema a sua rede.

Toda energia que o gerador da pessoa injetou na rede vira créditos energéticos, que ela usa para abater do que consumiu da distribuidora, e o que sobra ainda vale por 5 anos.

Como os sistemas são projetados para gerar toda a energia que uma pessoa, casal ou família consomem, no final esse balanço é sempre positivo e a conta de luz é reduzida em até 95%.

placa-solar-3

A exemplo da Califórnia, cinco estados americanos e seus novos governadores anunciam planos para transição 100% renovável

As eleições realizadas no último dia 6 de novembro nos EUA, conhecidas como Midterm Elections, tiveram 36 dos 50 estados americanos disputando a vaga para novos governadores.

Cinco deles; Colorado, Connecticut, Nevada, Illinois e Maine, englobando uma população de 26 milhões de pessoas, elegeram novos representantes que, entre as propostas de campanha, está a transição para uma matriz elétrica estadual 100% renovável.

Atualmente, apenas a Califórnia e o Havaí têm planos e prazos estipulados para passar a uma geração elétrica 100% movida por fontes de energias renováveis.

As políticas a serem adotadas para atingir essa meta de matriz 100% limpa ​​variam por estado, refletindo as declarações de campanha feitas por cada um dos candidatos, agora governadores eleitos.

100% de renováveis ​​para o Colorado até 2040: o governador eleito Jared Polis disse em seu site da campanha: “Estou trabalhando em um plano para levar o Colorado a 100% de energia renovável até 2040; não podemos nos dar ao luxo de esperar. ”A estimativa atual para adoção de energias renováveis ​​do estado é de 30% até 2020.

100% de renováveis ​​para Connecticut até 2050: O governador eleito Ned Lamont disse em seu site de campanha “Eu apoio o fortalecimento das políticas do estado para pelo menos 35 por cento das fontes de energia renovável até 2025; pelo menos 50% até 2030; pelo menos 80% até 2040; e 100% até 2050. ”A estimativa atual do estado é de 40% até 2030.

“Em direção a” 100% de renováveis ​​para Illinois: O governador eleito JB Pritzker disse em seu site de campanha “Como governador, vou trazer todas as partes interessadas para colocar Illinois em um caminho rumo a 100% de energia limpa e renovável e garantir que todas as comunidades sejam beneficiadas de forma igualmente justa durante esta transição. ”A projeção atual do estado é de 25% até 2026.

“Estrada para 100%” de energia renovável para Nevada: O governador eleito Steve Sisolak disse em um vídeo de campanha “Eu apoio totalmente a proposta de votação para aumentar nossa energia renovável para 50% até 2030.” Na verdade, como governador, eu gostaria de nos levar para 100%. Energia limpa cria empregos. Precisamos preparar nossos filhos para esses empregos, investindo na educação STEM (em inglês: Science, Technology, Engineering, and Mathematics – Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática). A estimativa atual de Nevada é de 25% de renováveis até 2025.

“Virtualmente completamente” renováveis ​​para o Maine até 2050: a governadora eleita Janet Mills disse em um relatório de imprensa verificado pelo secretário de imprensa da campanha Will Rasky: “Acredito que até 2050 possamos fazer a transição para uma economia saudável e próspera energia renovável. Esse é o meu objetivo. O sol e os ventos junto ao bom armazenamento de bateria, bem como a eficiência energética, nos levarão até lá. ” A meta atual do estado é de 40% até 2017.

Outros candidatos a governador declararam metas próximas a 100%, ou metas de “energia limpa” – que muitos interpretam como abrangendo o gás natural. A indústria de gás natural descreve o combustível fóssil como limpo – desconsiderando sua poluição climática – porque sua combustão emite relativamente pouco material particulado e menos CO2 por unidade de energia entregue do que o carvão.

placa-solar

5 incríveis coisas que poderíamos fazer com o uso de placas solares atuais

No mundo, hoje, o uso de placas solares é feito predominantemente de forma à alimentar as casas, empresas e demais estabelecimentos da população, através dos chamados sistemas fotovoltaicos conectados à rede (On-Grid).

Entretanto, a energia elétrica que elas produzem poderia ser usada para qualquer fim imaginável, lembrando que, por muito tempo, a tecnologia já é aplicada em situações incríveis, como as missões espaciais da NASA.

Dessa forma, podemos deixar a criatividade correr solta e nos perguntar: o que poderíamos fazer com a quantidade de energia produzida por uma placa solar em um ano? E com a de 350, ou mesmo 6.000 placas nesse mesmo período?

Entretanto, calcular a quantidade de energia produzida por uma placa solar, ou mesmo um painel solar (que é o agrupamento das placas), em um ano ou qualquer outro espaço de tempo, nunca será uma conta exata.

Isso porque, logicamente, uma placa de energia solar gera eletricidade conforme a quantidade de luz do sol que recebe e essa, por sua vez, não está disponível de forma constante o tempo inteiro ao longo de um dia, mês ou ano.

Esse é o motivo pelo o qual a energia solar, assim como a eólica, são consideradas fontes de energia renováveis intermitentes, pois não se encontram disponíveis a todo o momento, mas sim de forma alternada.

Mas, deixando a exatidão da tecnologia de lado e voltando ao campo da teoria, vamos imaginar uma placa solar de alta eficiência capaz de gerar, em um ano, e sob condições climáticas médias, 507 kWh (quilowatt-hora) de energia.

Lembrando que um quilowatt (kW) é igual a 1.000 watts (W) de energia, dessa forma, a unidade de medida quilowatt-hora corresponde a 1.000 W gerados em uma hora.

Fazendo a matemática de geração/consumo, podemos comparar essas quantidades de energia e aplicá-la a diferentes, e inacreditáveis, usos.

Confira, abaixo, 7 incríveis e divertidos coisas que poderíamos fazer com o uso de placas solares e a energia que produzem:

  • 1 Alimentar 125 Celulares Smartphones = 1 Placa = 500 kWh/ano
  • 2 Alimentar um Servidor de Internet Por Um Ano = 7 Placas = 3.500 kWh/ano
  • 3 Ir e voltar à Lua em um Tesla Modelo S = 350 Placas = 181.564 kWh/ano
  • 4 Andar 8 Milhões de Quilômetros em Um Carro Elétrico Toyota Prius = 6.500 Placas = 3.370.000 kWh
  • 5 Abastecer a Cidade da Jamaica Inteira Por um Dia = 34.500 Placas = 17.534.247 kWh
Amplexo Energia Solar

Projeto, instalação, venda e manutenção de sistemas de geração de energia solar para empresas e residências. Consulte sempre profissionais qualificados e atualizados com as novas tecnologias de mercado!

Parceria

Blue Sol Parceiro Integrador

Entre em contato

  • Rua Mato Grosso, 539, sala 1109,
    Barro Preto - CEP: 30190080
    Belo Horizonte / MG

  • (31) 3586-9124

  • (31) 98885-1832

  • contato@amplexoenergiasolar.com.br
Movidos por energia solar

Facebook

Siga-nos

© 2018 - 2019 Amplexo Energia Solar - Desenvolvido por Astro Design